28 março, 2011

Lendas de Irituia...

A Lenda do “Lobsomem”

Homem destemido, desconhecia o medo das estórias que lhe contavam sobre Duendes, Lobsomem, Matintas, ets.

“Seu” Pedro Lúcio, tio do “Seu” domingos, estava acostumado a viajar todos os dias da cidade de Irituia até Igarapé Açu de Cima, lá para os lados da colônia. Ia de dia e voltava a noite. Um dia ele estava voltando do trabalho, já noite escura, quando chegou numa paragem de nome Timboteua, ouviu beirando a estrada, no meio da mata, um barulho estranho. Ele se pôs em guarda segurando o cabo de um revólver, que sempre usava quando viajava a noite, no bolso da calça.

O estalar de ossos, ou coisa parecida, fez o senhor Pedro se afastar para o lado oposto de onde estava, e andar com precaução pois não estava vendo nada. Somente ouvia o ruído que o acompanhava, ladeando-o por dentro da mata. Quando já estava perto do igarapé que passava abaixo da ladeira, o “Seu” Pedro divisou um enorme vulto que vinha já para sair na estrada, disposto a atacá-lo. Sem saber o que era, falou alto, ao mesmo tempo que sacava a arma do seu bolso e apontava para o local.

_ Mete a cara aí que eu quero meter bala na cabeça!

“Seu” Pedro Lúcio quase cai assuntado ao ouvir do local onde o barulho, uma voz.

_ “Seu” Pedro num me mate, eu sou o Paraíba!

Era uma voz que bem mostrava o medo de ser abatido por uma bala.

O homem ainda naquele estado de incredulidade no que via e ouvia, ficou parado com a arma na mão, olhando para o local de onde vinha os sons, não via pessoa alguma, só via o vulto de um porco enorme na estrada, a estralar os dentes e a gemer.

_ Refeito o susto, seu Pedro fala, ainda não acreditando no que via.

_ Você dessa vez se, mas não faça outra que você vai morrer.

E guardou o revólver no bolso da calça.

O animal, ou Paraíba, entrou novamente na mata e saiu ‘’quebrando’’ ossos. E ora gemendo, ora gritando distanciando-se do homem, que parado na estrada, ouvia aqueles barulhos inumanos, diminuindo a medida que o animal se afastava.

“Seu” Lúcio foi embora para casa, e nunca mais se esqueceu daquela noite em que se encontrara com o Lobsomem ou o Paraíba que morava no Igarapé Açu de Cima.



A Lenda do “Curupira”

O Sr. Geminiano, homem de certa idade morador do Itabocal, no município de Irituia, gostava muito de caçar nas matas que circundavam a cidade. Num dia de domingo quando raiava o sol, já pelas cinco da manhã, apanhou sua velha espingarda, chamou seus cães de caça, e partiu para mais uma de suas caçadas. Andava ele muito alegre, pois no dia anterior tinha ele encontrado uma comedia muito boa, onde estavam ou deveria está alguns animais roedores, ou mesmo um veado comendo debaixo da árvore. “Seu” Geminiano parou um pouco, sondou o ambiente e, em seguida, mandou os cães caçarem, pois já estavam farejando algo, ainda um pouco distante do local pra onde ele ia. Incentivando os cachorros, estes partiram correndo para a floresta latindo cada vez mais forte, o que era bom sinal de caça grossa. Seu Geminiano, acompanhava os cães, suando por todos os poros, mas não desistia, pois tinha certeza de que naquele dia ia levar comida pra casa. Mas qual foi o seu espanto quando viu acuado entre seus fies cães de caça, não o que jamais esperaria ver. Ficou lívido e paralisado. Sentado ao chão de pernas abertas coçando seu órgão genital, lá estava um pretinho alegre, olhando os cães, e estes, a uma pequena distância ao latirem, acuando- o mas respeitando-o sem o molestar. “Seu” Geminiano, voltou a si da surpresa, e, já em seu estado natural, levantou a espingarda e disparou a arma. Com o estampido, o pretinho levanta e sai em desabalada carreira pelo mato a dentro.

Os cães saem em seu encalço, e o velho geminiano, com a sua coragem, o que peculiar aos caçadores de nossas matas tão perigosas, parte atrás, atiçando os cães contra o pretinho. Estes obedeciam ao seu dono e, cada vez latiam mais forte. De repente pararam, e o caçador, experimentado naquela vida, sente que o negrinho estava novamente acuado em algum lugar da mata. Reunindo todas as forças corre na direção dos latidos. Seus fies cães acuam, latindo forte e compassado. O velho caçador chega ao local; os cães pulavam tirando lascas da casca de um tauaizero, como se estivessem pra pegar e dilaceram a caça. Mas “Seu” Geminiano olha e nada vê, arrodeia a árvore e nada. Olha pra cima, e nada; não vê o menor indício do que deveria está sendo acuado.

Aproxima-se mais dos cães e nota, um pouco acima das raízes, um buraco onde um dos seus cães estavam farejando e latindo, como se o negrinho estivesse entrado por ali. Ele se aproxima também e nota que o buraco era tão pequeno que mal cabia um espinho de tucumã. O velho caçador, neste momento lembra que de que haviam lhe falado sobre o Curupira, e recorda-se, também, que quando deu o tiro no pretinho, este saio correndo e gingava de um lado para o outro, pois os seus pés estavam virados para trás: era o Curupira. “Seu” Geminiano chama seus companheiros de caça e retira-se do local, quase correndo para casa. E durante o resto do dia não saio mais para a espera ou pra qualquer outro lugar, com medo da represália do Curupira das matas do Icaiaca.

A Lenda da “Quem-Te Dera”

Há muitos anos, existiu no município de Irituia uma mulher de nome Quem-Te-Dera, que, dado seu poder sobrenatural, fazia qualquer pessoa, se ela quisesse, servir de cavalo para suas andanças.

Era natural de Patauateua, acima da Vila-Pedra, lugar também conhecido pelas de encantamento que lá existem que lá existe até hoje. Sendo dotada desses poderes impunha o medo e o terror nos mais valentes caboclos da região.

Chegando um dia a ser presa em São Miguel do Guamá, fez a noite o delegado servir de cavalo pra ela. Isso foi dito por vários informantes de Irituia. A Quem-Te-Dera era tida como feiticeira por alguns, por outros, como uma fada. Muitos afirmam que sua filha tinha poderes semelhantes, e já tinham visto coisas pavorosas entre ambas. Entre essas ações sobrenaturais , uma delas, era comumente, ser devorada pela filha até a cintura, e depois voltar ao seu estado natural.

Como feiticeira ou não, o certo é que ela é muito respeitada no município de Irituia até hoje e ninguém se atreve a enfrentá-la.

Que se tenha conhecimento, somente um dia apareceu um maranhense e quase a mata de uma surra, com chibata de couro cru.

Ela fazia homens de coragem correrem léguas e mais léguas, temendo-a, e eles mesmos contavam depois, como haviam corrido...

E assim era a Quem-Te-Dera, mulher e feiticeira ao mesmo tempo.

23 março, 2011

Entrevista

Hoje pela manhã fui entrevistar o senhor Ivo dos Anjos Silva, mas conhecido como "Tio Minga", um dos mestres do Carimbó Irituiense, para colaborar no meu trabalho de pesquisa sobre as lendas de Irituia.
Ele me contou as lendas da "Quem-te-dera " e do "Lobsomen" que ,segundo ele, residiam o município de Irituia.


Tio Minga

Foto tirada de um jornal de 1974/ "Quem-Te-Dera"

Foto tirada de um jornal de 1974/ "Lobsomem"



22 março, 2011

Internet lerda + desmotivação pra escrever = NADA

Faz um tempinho que não escrevo nada no meu Blog, né?. Até tentei a uns dois dias atrás mas a internet não queria colaborar comigo.
Bom, esse tempo todo sem blog favoreceu o meu empenho no trabalho que estou fazendo agora e que está dando muito trabalho, que se trata de entrevistar pessoas que sabem lendas e mitos da minha cidade, que no caso é Irituia.
Estou gostando muito de fazer isso, escutei e aprendi história e versões de lendas que antes eu não tinha conhecimento e que nunca ia passar pela minha cabeça.
#Emfim, o resultado eu posto quando estiver pronto.

Lucival Silva
Ana Rodrigues
Manoel Cordeiro, mais conhecido como "Coroca"
Seu Célio Cordeiro
Luzia, mais conhecida como "Tia Luzia"
Prof. Lígia Reis
Darcy Maria Santos Pereira
Alreliano

10 março, 2011

"Mucuim no Saco" >> divulgando...

O link está abaixo da foto. Clik!
Críticas e manifestos pela liberdade de expressão no município de Irituia

Mucuim é um inseto encontrado na Amazônia que penetra no saco escrotal, vulgo saco, causa vermelhidão e incomoda bastante seu hospedeiro

E é nesse sentido que um novo Blog foi criado: para incomodar muito muita gente.

"Eu sou o Mucuim que veio encher o saco desses descarados ladrões e inúteis poderosos que não percebem que nessa vida curta o que vale mais são os laços de amor e amizade que se faz, e não os números e mais números que engordam poupanças e compram almas e dores!!!

Pode coçar a vontade que eu não vou largar !!!
E fiquem sabendo... se coçar, vai inflamar..."
(Alexandre Cordeiro)

09 março, 2011

Carnaval # / Terça









Dalci

Carnaval # / Segunda'

Nessa segunda de carnaval fiquei por aqui mesmo na minha cidade, Irituia, e pude prestigiar um pouco dos nossos artistas da terra. Nessa noite se apresentaram a dupla Pingo e Raí e a Banda Forrozão Love Star, que já é sucesso em todo norte do Brasil, o que nos deixa todos os irituienses muito orgulhosos.
Não tenho fotos da Banda Forrozão Love Star porque não fiquei até a hora que eles se apresentaram, aliás, fiquei mas não demorei então acabei esquecendo de bater a foto. Mas como vocês podem perceber a da dupla Pingo e Raí estão aí abaixo.

Pingo e Raí

07 março, 2011

Carnaval #

Ontem, domingo, fui pra São Miguel passar pelo menos um dia de carnaval porque na minha cidade (Irituia) o carnaval não presta, mesmo eles tentando fazer o melhor possível NÃO DÁ CERTO!
Foi muito legal, tudo ocorreu bem. Claro que não foi aquela 'coisa' que se possa dizer:" _ Nossa! parece Bahia ou Salvador", mas deu pra quebrar o galho, aliás, só um galho não, deu pra ''derrubar uma árvore'', pois eu nunca tinha passado um carnaval que prestasse em todos esses anos que tenho de vida!
Mais uma coisa boa foi ter encontrado com algumas pessoas que a tempos eu não falava.
Eu não tenho fotos de quando eu estava em São Miguel porque levei a câmera mas esqueci a bateria (patetice). Felizmente, quando cheguei em Irituia pude bater umas fotos.

ignorem a minha cara!
Luciano

05 março, 2011

Qual a probabilidade "deles" deixarem?


Eu nunca posso ir a lugar nenhum!
Eu sei que vocês estão lendo isso: pai e mãe

Parabéns Shinoda!

KKKK, ele vai querer a morte com essas fotos!


Mais um aninho de vida... hoje já completa 19 anos >> seu velho!

Quase espoco de rir!

E época de carnaval e...

eu nunca na minha vida pude passar um carnaval que prestasse, é sério!
E... justificando a minha ausência: Estudo (eu juro que eu estudo!), Trabalhos (muitos trabalhos!). etc.

Blá, Blá... tô "zerada" de idéias pra escrever aqui!